bit comenta sobre as mudança no MIBR

Problemas Internos e Tempo na Europa: Principais Causas das Dificuldades

O Bruno “bit” Lima, treinador do MIBR, concedeu uma entrevista ao GE comentando sobre as mudanças recentes na organização e falando sobre o futuro. Nos últimos oito meses, houve a troca de três jogadores, derrotas complicadas e adaptações rápidas com os jogadores. O técnico afirma estar “disposto a fazer o que for necessário”.

Com atuações abaixo do esperado, como na IEM Rio 2023, e sem conseguir as vagas nos últimos dois Majors, ele comenta as principais causas: “Os problemas internos entre os jogadores são um dos motivos principais. Precisamos fazer muitas mudanças. O segundo motivo é passar mais tempo na Europa. O cenário norte-americano não era nivelado da mesma maneira que o da Europa antigamente, mas não era tão abaixo quanto é hoje em dia”.

Em relação ao primeiro ponto mencionado, houve três mudanças no elenco nesse período. A primeira foi a saída de Adriano “WOOD7” Cerato, que agora joga na Fluxo, sendo substituído por Breno “brnz4n” Poletto vindo da MIBR Academy. Em seguida, Marcelo “chelo” Cespedes e Jhonatan “Jota” Willian saíram para jogar na Imperial, sendo substituídos por Henrique “Hen1” Teles e outro que veio da base Felipe “insani” Yuji.

Foto: brnz4n na IEM Rio 20023 | @theMAKKU

Todas essas mudanças foram por vontade da equipe e dos jogadores que saíram. “Já tínhamos problemas internos e a equipe já estava um pouco desgastada. Eles queriam sair, e conseguimos chegar a um acordo com o MIBR em termos de valores. As coisas se encaixaram… Agora, seria diferente se algum jogador quisesse sair sem o desejo do MIBR e não alcançasse o valor da multa”, comentou o treinador.

O segundo motivo mencionado anteriormente é passar mais tempo na Europa. Bruno “bit” Lima pretende levar os jogadores para o Velho Continente a fim de ter treinos de maior qualidade. Essa mudança ganhou destaque após o comentário do professor Gabriel “FalleN” Toledo de que ela era necessária.

“Hoje em dia, nos Estados Unidos, existem apenas dois ou três times para treinar. São times com os quais geralmente você não precisa treinar, pois não vale a pena. Os outros times ainda são amadores. Agora é o momento para os times brasileiros seguirem o exemplo do que aconteceu quando embarcaram no cenário da América do Norte, embarcando agora no cenário europeu e enfrentando os melhores times”, comenta o treinador.

Foto: MIBR durante a IEM Rio | @theMAKKU

Esse momento atual na América do Norte se deve ao grande movimento dos jogadores que migraram para o Valorant, deixando a região enfraquecida.

Capa: Divulgação/MIBR

Leia Mais:

Siga o Portal Counter-Strike no Instagram, TikTok, Twitter e YouTube e fique por dentro de tudo que acontece no universo do game.

Compartilhe:

Recomendado Para Você